Quando as crianças veem meu filho com deficiência e perguntam: “O que há de errado com ele?”

Quando criança, eu era muito focada no certo e errado. Quando eu chorava (o que era frequente), meus amigos perguntavam: “O que há de errado?” Quando eu dizia que não me sentia bem, minha mãe perguntava: “O que há de errado?” Todo esse foco no “erro” provavelmente influenciou meu desenvolvimento em ser uma perfeccionista ansiosa.
Algum tempo atrás, decidi substituir a pergunta “O que há de errado?” Com “O que aconteceu?” “Qual é o problema?” Ou “O que está acontecendo?”
Eu fiz a transição quando as pessoas começaram a me perguntar o que há de errado com meu filho, Kory. Kory tem síndrome de Down e epilepsia. Aos 16 anos, ele não fala nem caminha ainda. Ele usa um grande carrinho médico vermelho que atrai atenção considerável. As crianças querem saber por que ele é tão grande e ainda está em um carrinho de bebê. Tentando interpretar com base em sua experiência limitada, às vezes perguntam se ele é um bebê.
Eu sei que muitos pais de crianças com deficiência lutam com essa questão. Nesses momentos, isso me ajuda a lembrar quem eu era antes de Kory. Ninguém perto de mim tinha uma deficiência grave. A deficiência era estranha para mim e meio que assustadora porque eu tinha medo de “imperfeição”. Eu provavelmente me perguntava que estava “errado” com pessoas em cadeiras de rodas, mas nunca perguntei.
A maioria das pessoas não reconhece Kory. Então, eu considero uma bênção quando as crianças observam e perguntam sobre ele. Eles são tocados por ele ou pelo menos curiosos. Eles estão abrindo a janela de comunicação com sua pergunta, mesmo que seja judiciosa.
Naquele momento, tenho a opção de abrir mais a janela de comunicação ou de me fechar. Então, eu abro a pergunta: “O que há de errado com ele?” Eu costumo responder: “Ele é único, não é?” Eles geralmente respondem: “Sim”. Eu pergunto: “Você quer saber o que aconteceu com ele? ” Eles fazem que sim.
Eu explico que houve um acidente em seu cérebro, e então seu cérebro não fala com seus braços e pernas do mesmo modo que nossos cérebros. Eles às vezes perguntam se ele andará. Eu digo que nós trabalhamos nisso todos os dias, e talvez um dia ele vá.
Eu sempre me asseguro de dizer a eles que Kory é a pessoa mais forte e feliz que conheço e que ele me ajudou a conhecer o amor verdadeiro. E finalmente, eu digo: “Então, nós realmente não o vemos como tendo algo “errado”. Ele tem desafios, e esses desafios fazem parte do que o torna tão maravilhoso. Isso faz sentido para você?” Eles respondem: “Sim”. E eu termino com “E só para você saber, você não precisa ser perfeito para ser maravilhoso também”.
Eu valorizo profundamente essas conversas porque as crianças não apenas aprendem que as pessoas com deficiências podem ser maravilhosas, mas também ouvem que pelo menos um adulto não espera a perfeição delas.
Eu não nasci perfeccionista – aprendi isso. Mas ser perfeccionista me deixava ansiosa e avessa ao risco, e nunca iria cumprir meu potencial até rejeitar esse pensamento. Para ter sucesso na vida, nossos filhos precisam internalizar a crença de qu;ç………………………e falhas fazem parte da jornada de aprendizado. O que você acha de se juntar a mim e espalhar essas palavras?

Texto escrito por Patty Bates-Ballard é a mãe de Kory e Kaden. Proprietário do WordSmooth e desenvolvedor dos programas de aprendizado do Harvesting Respect
Originalmente publicado em The Mighty
Tradução Redação CDD

Compartilhe!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.

Rolar para cima