Sexualidade, ou orientação sexual, tem a ver com quem uma pessoa é ou não atraída sexualmente ou romanticamente. As pessoas podem se identificar mais com uma sexualidade do que com outra em diferentes momentos de suas vidas.

Neste artigo, discutiremos o que é sexualidade e forneceremos definições de algumas orientações sexuais. Também fornecemos informações sobre onde uma pessoa pode encontrar apoio e mais informações.

O que é sexualidade?

A sexualidade de uma pessoa, ou orientação sexual, determina por quem ela sente ou não atração. Esta atração é tipicamente sexual ou romântica. A atração sexual normalmente descreve o desejo de uma pessoa de fazer sexo ou formar um relacionamento sexual com outras pessoas. Também descreve frequentemente a atração física, ou a falta dela, em relação aos outros.

A atração romântica pode descrever a expressão de amor de uma pessoa dentro de um relacionamento. Esse relacionamento não precisa ser sexual, e uma pessoa não precisa sentir atração romântica e sexual para ter uma sexualidade.

Existem muitas orientações sexuais, e as pessoas que se identificam com uma ou mais podem descobrir que sua sexualidade muda com o tempo. Isso é perfeitamente normal – a orientação de uma pessoa pode ser fluida.

Tipos de sexualidade

Abaixo estão as definições de alguns tipos de sexualidade.

Alorromântico:

Uma pessoa que se identifica como alorromântica experimenta atração romântica pelos outros.

Alossexual:

Este é um termo guarda-chuva. Uma pessoa que se identifica como alossexual normalmente sente atração sexual por outras pessoas. Eles também podem querer fazer sexo com um parceiro. As pessoas que se identificam com essa orientação também podem se identificar com outra sexualidade, como ser gay, lésbica ou bissexual.

Androsexual:

As pessoas que se consideram androssexuais sentem atração por homens, pelo masculino ou pela masculinidade percebida, independentemente de terem ou não sido designados homens no nascimento.

Arromântico:

Uma pessoa que se identifica como arromântica pode não sentir nenhuma atração romântica por ninguém. As pessoas que são arromânticas podem não querer um relacionamento além da amizade. Aqueles que se identificam com essa orientação também podem se identificar com outra orientação. A atração romântica de uma pessoa pode ser diferente de sua atração sexual. Por exemplo, uma pessoa pode não ser romanticamente atraída por outras, mas pode ser sexualmente atraída por algumas.

Assexual:

Assexual é um termo abrangente que abrange um amplo espectro de orientações sexuais. De acordo com o LGBTQIA Resource Center, a assexualidade é um espectro. Algumas pessoas podem não sentir atração sexual ou romântica por ninguém, enquanto outras podem experimentar graus variados de atração sexual ou romântica por pessoas. Quem se identifica com essa orientação não precisa se abster do sexo para ser assexual. Algumas orientações que existem dentro do espectro da assexualidade incluem:

  • Aversão ao sexo: É quando uma pessoa é avessa ou totalmente desinteressada em sexo e comportamento sexual.
  • Favorável ao sexo: É quando uma pessoa tem sentimentos positivos em relação ao sexo em algumas situações.
  • Indiferente ao sexo: Refere-se àqueles que se sentem neutros em relação ao sexo e ao comportamento sexual.
  • Repulsa ao sexo: Refere-se àqueles que sentem repulsa pelo sexo e pelo comportamento sexual.
  • Cupiossexual: Se alguém se identifica como cupiossexual, ele não sente atração sexual, mas ainda deseja se envolver em comportamento sexual ou ter um relacionamento sexual.
  • Assexual Libidoísta: Este termo refere-se àqueles que são assexuados e experimentam sensações sexuais que podem satisfazer com masturbação ou auto-estimulação.
  • Graysexual: Aqueles que são graysexual experimentam atração sexual com pouca frequência ou não muito intensamente.
  • Grayromantic: As pessoas que se identificam como grayromantic podem experimentar atração romântica raramente ou não muito fortemente.
Autorromântico:

Aqueles que são autorromânticos experimentam uma atração romântica por si mesmos. Isso não significa que eles também não sintam atração romântica pelos outros.

Autossexual:

Aqueles que se identificam como autossexuais experimentam uma atração sexual por si mesmos. Da mesma forma que aqueles que são autorromânticos, as pessoas que são autossexuais também podem sentir atração sexual por outras pessoas.

Bicurioso:

As pessoas que se identificam como bicuriosas estão interessadas em ter uma experiência sexual ou romântica com alguém do mesmo sexo. O termo indica que a pessoa experimenta alguma incerteza sobre como ela se identifica romanticamente ou sexualmente.

Birromântico:

As pessoas que se identificam como birromânticas sentem atração romântica, mas não necessariamente sexual, por mais de um gênero.

Bissexual:

Uma pessoa que se identifica como bissexual pode ser de qualquer gênero. Bissexualidade significa que uma pessoa sente atração por seu próprio gênero e outros gêneros ou por qualquer pessoa, independentemente de seu gênero. Algumas pessoas também podem usar os termos bissexual e pansexual em momentos diferentes para descrever sua orientação sexual, observa o Centro de Recursos LGBTQIA.

Demirromântico:

As pessoas que se identificam como demirromânticas geralmente não sentem atração romântica por pessoas com quem não têm um forte vínculo emocional.

Demissexual:

Uma pessoa que se identifica como demissexual normalmente só sente atração sexual por uma pessoa com quem já estabeleceu um forte vínculo emocional. Algumas pessoas que são demisexuais podem não ter interesse ou apenas um leve interesse em atividade sexual.

Gay:

Uma pessoa que se identifica como gay normalmente só sente atração sexual por pessoas do mesmo sexo. Socialmente, as pessoas usam esse termo para se referir a homens que são romanticamente e sexualmente atraídos por homens. No entanto, aqueles na comunidade o usam como um termo abrangente.

Ginessexual ou Ginossexual:

As pessoas que se identificam como ginessexuais sentem atração sexual por mulheres, pelo feminino e pela percepção da feminilidade, independentemente de terem ou não sido atribuídas ao sexo feminino no nascimento.

Heterromântico:

Aqueles que são heterromânticos podem sentir atração romântica, mas não necessariamente atração sexual, por pessoas de um gênero diferente.

Heterossexualidade:

As pessoas que são heterossexuais normalmente sentem atração sexual e romântica por pessoas de um gênero diferente do seu.

Homorromântico:

Refere-se a pessoas que são romanticamente atraídas por pessoas de um gênero semelhante ao seu. Eles podem não ser sexualmente atraídos por pessoas do mesmo sexo.

Homossexualidade:

A homossexualidade é um termo que descreve aqueles que são emocionalmente e fisicamente atraídos por pessoas do mesmo sexo. No entanto, o Centro de Recursos LGBTQIA afirma que esse termo está desatualizado e pode ter conotações negativas devido ao passado.

Lésbica:

As que se identificam como lésbicas geralmente são mulheres que sentem atração sexual e romântica por outras mulheres. Algumas pessoas não binárias, que não se identificam com os sexos binários tradicionais (masculino e feminino), também podem se identificar como lésbicas. Isso pode ser porque eles sentem uma conexão mais próxima com a feminilidade e são atraídos principalmente por mulheres.

Monossexual:

Monossexual é um termo abrangente que abrange todas as orientações sexuais que sentem uma atração romântica ou sexual por apenas um gênero. Algumas orientações sexuais sob este termo incluem heterossexualidade, gay e lésbica.

Multissexual:

Este é um termo amplo que engloba todas as orientações sexuais nas quais as pessoas são atraídas por mais de um gênero. Algumas orientações sexuais sob este termo incluem bissexual e omnissexual.

Pansexual e omnissexual:

Essas orientações sexuais referem-se a pessoas que sentem atração por pessoas de todos os gêneros e sexos. Um identificador típico para quem é pansexual é que o gênero não é um fator de atração sexual ou romântica. As pessoas que se identificam como omnissexuais podem ser atraídas por alguém por causa de seu gênero. Embora haja sobreposição entre esses dois termos e bissexualidade e polissexualidade, algumas pessoas podem preferir usar um termo em detrimento de outro.

Panrromântico:

Este é um termo que se refere àqueles que sentem atração romântica, mas não atração sexual, por alguém de qualquer gênero ou sexo.

Polissexual:

As pessoas que se identificam como polissexuais sentem atração sexual ou romântica por mais de um gênero.

Queer:

Pessoas de todas as sexualidades sob o guarda-chuva LGBTQIA+ também podem se identificar como queer. Eles podem usar o termo “queer” para recuperá-lo, já que historicamente muitos usaram o termo como um insulto. A menos que uma pessoa seja membro da comunidade LGBTQIA+, geralmente não é uma boa ideia usar esse termo.

Escoliossexual:

As pessoas que se identificam como escoliossexuais normalmente só sentem atração por pessoas que não são binárias.

Expectrassexual:

Expectrassexual é um termo que descreve aqueles que são romanticamente e sexualmente atraídos por vários sexos, gêneros e identidades de gênero, mas não todos eles.

A sexualidade em um espectro

Alguns sugerem que a sexualidade existe em um espectro ou escala móvel. A Escala Kinsey, que foi publicada pela primeira vez em 1948, sugeria que as pessoas não se encaixavam nas categorias heterossexuais ou homossexuais. A escala tem seis classificações, com uma categoria adicional:

  • 0: Exclusivamente heterossexual
  • 1: Predominantemente heterossexual, apenas incidentalmente homossexual
  • 2: Predominantemente heterossexual, mas mais do que incidentalmente homossexual
  • 3: Igualmente heterossexual e homossexual
  • 4: Predominantemente homossexual, mas mais do que casualmente heterossexual
  • 5: Predominantemente homossexual, apenas incidentalmente heterossexual
  • 6: Exclusivamente homossexual
  • x: Sem contatos ou reações sociossexuais

Embora inovadora na época, a escala agora apresenta alguns problemas, pois não aborda todas as orientações e identidades sexuais possíveis.

O Projeto Trevor sugere que há uma variedade de espectros com foco em uma pessoa:
  • sexo biológico
  • identidade de gênero
  • expressão de gênero
  • apresentação de gênero
  • orientação sexual

De um lado do espectro de orientação sexual, uma pessoa só pode se sentir atraída por mulheres e, do outro lado, uma pessoa só pode se sentir atraída por homens. No meio do espectro estão aqueles que sentem uma gama de atração sexual e romântica por diferentes gêneros e sexos.

É importante lembrar que uma pessoa pode sentir diferentes tipos de atração por diferentes gêneros. Por exemplo, uma pessoa pode sentir atração sexual por um ou mais gêneros e atração romântica por gêneros diferentes.

Além disso, uma pessoa pode se identificar com uma orientação sexual e experimentar diferentes níveis de atração sexual e romântica nessa orientação. Por exemplo, uma pessoa que se identifica como bissexual pode preferir mulheres a homens, e outra pode sentir maior atração romântica por mulheres, mas atração sexual mais forte por outros gêneros.

Por que a sexualidade importa?

A sexualidade de uma pessoa determina por quem ela sente atração romântica ou sexual. As pessoas podem sentir que rotular sua sexualidade as ajuda a lidar com qualquer opressão ou dificuldade que enfrentam. Também pode ajudá-los a encontrar uma comunidade na qual possam compartilhar suas experiências.

As pessoas também podem achar útil conhecer os termos que descrevem outras orientações sexuais. Ao conhecer a terminologia, as pessoas podem entender melhor a sexualidade de outra pessoa.

As pessoas precisam identificar sua orientação sexual?

As pessoas não precisam necessariamente se identificar como um tipo de orientação sexual e ela pode mudar com o tempo. Eles também podem escolher um termo abrangente, mas não encontrar um rótulo que descreva com precisão sua experiência.

No entanto, algumas pessoas podem achar que escolher um rótulo para sua orientação sexual ou romântica as ajuda a formar comunidades com outras pessoas que podem compartilhar experiências semelhantes.

Onde uma pessoa pode receber apoio?

Alguns grupos e clínicas aos quais as pessoas podem recorrer para obter apoio incluem:

Nota da CDD:

No Brasil, as pessoas podem encontrar apoio em diferentes espaços. De acordo com a Revista Galileu, estas são 10 iniciativas voltadas para a população LBTQIA+:

  • Destination Pride: Este site permite uma simples busca pelas cidades que você pretende visitar. Viajar para uma nova região do país ou do mundo sendo uma pessoa LGBT não é sempre tão simples.
  • Casa 1: Centro cultural e república de acolhimento LGBT na cidade de São Paulo. O espaço oferece abrigo para até 12 pessoas maiores de 18 anos de idade que foram expulsas de casa.
  • Casa Nem:  É um local de abrigo para transsexuais, travestis e homossexuais em situação de vulnerabilidade no Rio de Janeiro. A gestão do espaço é baseada em voluntariado e no apoio de pessoas que doam alimentos, móveis e dinheiro.
  • Vote LGBT: O coletivo tem a preocupação de estar envolvido na política nacional e mundial, acompanhando projetos de leis, lutando por representatividade e pelos direitos da minoria.
  • Sarau Manas e Monas: Iniciativa criada por um coletivo em São Paulo. O projeto promove discussões sobre questões da mulher, gênero e direitos para todas as minorias. 
  • Mães pela Diversidade: O apoio familiar quando um indivíduo da família se descobre e se assume LGBT é essencial. Pensando nisso, diversas mães formaram este coletivo, que atua em diversos estados do país.
  • English to Trans-form: Professores voluntários oferecem aulas de inglês, na cidade de São Paulo para mulheres e homens trans e pessoas da comunidade LGBT que sofrem preconceito.
  • TODXS: Startup criou este aplicativo para que a pessoa LGBTQIA+ conheça todos os seus direitos como cidadão, qual lei deve assegurar segurança e proteger de atos de preconceito.
  • Tamanduás-Bandeira Rugby Club: Focado na prática de rúgbi para pessoas LBTQIA+ que moram em São Paulo.
  • Gaymada: Uma mistura de atividade física com ativismo, seria uma versão LGBT da tradicional brincadeira queimada. Busque as datas dos jogos no site e redes sociais.

Para acolhimento com enfoque na saúde mental, a Revista Veja Saúde também traz a dica do serviço Acolhe LGBT. É uma plataforma que conecta pessoas LGBT+ que precisam de acolhimento psicológico com profissionais que podem ajudá-las de forma voluntária.

Para algumas pessoas, fazer terapia pode ajudar. Você pode buscar atendimento psicológico online gratuito, ou de valor social, veja lista feita pela equipe do G1 aqui.

Leia também no site da CDD:

Tradução e adaptação: Equipe da Crônicos do Dia a Dia (CDD)
Fonte: Medical News Today
Escrito por Veronica Zambon e revisado por Francis Kuehnle, em 19 de outubro de 2020.

Compartilhe!!!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no google
Compartilhar no email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima