O que é vitiligo? Entenda mais sobre a condição que acompanha a Natália do BBB22

Quando uma pessoa tem vitiligo, as células responsáveis pela cor da pele são destruídas. Essas células, chamadas melanócitos, não produzem mais o pigmento da pele (melanina). Uma vez que isso ocorre, as áreas da pele perdem a cor ou ficam brancas. No Brasil, recentemente conhecemos a Natália Deodato do BBB 22, que tem falado sobre o tema no programa.

As áreas de pigmento perdido podem se desenvolver em qualquer parte do corpo, incluindo:

  • áreas expostas ao sol, como mãos, pés, braços e rosto
  • dentro da boca ou outras membranas mucosas
  • narinas
  • órgãos genitais
  • parte de trás do olho
  • dentro do sistema auditivo da orelha
  • o cabelo também poderá ficar grisalho ou branco

Embora o vitiligo possa afetar muitas partes diferentes do corpo, não é contagioso. Uma pessoa com vitiligo não pode transmiti-lo a outra pessoa. Estima-se que quase 1% da população mundial tenha a condição. 

 

Quais são os sintomas do vitiligo?

O principal sintoma do vitiligo são manchas brancas na pele. E pode afetar qualquer área do corpo, até mesmo as áreas ao redor dos olhos. As manchas podem ser grandes ou pequenas e aparecem como um dos seguintes padrões:

Segmentar ou focal: manchas brancas tendem a ser menores e aparecem em uma ou algumas áreas. Quando o vitiligo aparece em um padrão focal ou segmentar, ele tende a ficar em uma área de um lado do corpo. Muitas vezes continua por um ano ou mais, depois pára. Também progride mais lentamente do que o vitiligo generalizado.

Não segmentar ou generalizado: manchas brancas generalizadas aparecem simetricamente em ambos os lados do corpo. Este é o padrão mais comum e pode afetar as células pigmentares em qualquer parte do corpo, além de começar e parar muitas vezes ao longo da vida de uma pessoa. Não há como determinar quando, se ou com que rapidez as manchas irão se desenvolver.

Um estudo mostrou que 75% das pessoas com vitiligo têm perda de pigmento nas mãos e no rosto. Outras áreas comuns estão nas dobras do corpo, como a pele sob os braços e ao redor da virilha.

 

O que aumenta o risco de vitiligo?

Não se sabe exatamente o que causa o vitiligo. A condição não parece ser herdada. A maioria das pessoas com vitiligo não tem histórico familiar do distúrbio. Mas o histórico familiar de vitiligo ou outras condições autoimunes pode aumentar seu risco, mesmo que não causem vitiligo.

Outro fator de risco pode ser alguns genes associados ao vitiligo. A maioria dos pesquisadores acredita que o vitiligo é um distúrbio autoimune porque seu corpo está atacando suas próprias células. Mas também não está claro como o corpo ataca suas células de pigmento. O que se sabe é que cerca de 20% das pessoas com vitiligo também têm outro distúrbio autoimune. Dependendo da população, esses distúrbios podem incluir o seguinte, do mais comum ao menos comum:

  • esclerodermia, um distúrbio do tecido conjuntivo do corpo
  • lúpus
  • tireoidite, causada por uma tireoide funcionando inadequadamente
  • psoríase
  • alopecia areata, ou calvície
  • diabetes tipo 1
  • anemia perniciosa, uma incapacidade de absorver vitamina B-12
  • Doença de Addison
  • artrite reumatoide

Alguns especialistas também relatam o aparecimento do vitiligo após incidentes de:

  • queimaduras solares graves ou cortes
  • exposição a toxinas e produtos químicos
  • altos níveis de estresse

 

Quais são as complicações do vitiligo?

A boa notícia é que muitas vezes o vitiligo tem poucos efeitos colaterais físicos no corpo. As complicações mais graves podem afetar os ouvidos e os olhos, mas não são comuns. O principal efeito físico é a perda de pigmento que aumenta o risco de queimaduras solares. Você pode proteger sua pele aplicando protetor solar com FPS 30 e/ou vestindo roupas com proteção solar.

 

Efeitos psicológicos

Pesquisas mostram que o vitiligo pode causar efeitos psicológicos significativos. Revisões científicas apontam que mais de 50% das pessoas com vitiligo mencionaram efeitos negativos em seus relacionamentos. Algumas pessoas ainda disseram que pensam em sua condição o dia todo, principalmente pela imprevisibilidade da mesma. Também relataram:

  • que evitam atividades físicas
  • que evitam ir a eventos
  • que sentem que sua condição é uma desfiguração
  • depressão
  • ansiedade
  • carga emocional

Se você tem vitiligo e está sentindo algum desses efeitos negativos, converse com seu médico ou alguém que se preocupe com você. Também é importante aprender o máximo possível sobre a condição. Isso pode ajudar a aliviar o estresse que você pode ter sobre ele e conhecer as opções de tratamento.

 

O que seu médico fará para testar o vitiligo?

O médico fará um exame físico, perguntará sobre seu histórico e realizará exames laboratoriais. Certifique-se de relatar quaisquer eventos que possam ser fatores contribuintes, como queimaduras solares recentes, cabelos grisalhos prematuros ou quaisquer doenças autoimunes que você possa ter. Informe também o seu médico se mais alguém da sua família tiver vitiligo ou outras doenças de pele. Outras perguntas que seu médico pode fazer são:

  • Onde começou a surgir no seu corpo?
  • Alguém na sua família tem vitiligo?
  • Alguém na sua família tem uma doença autoimune?
  • Você já tentou algum tratamento?
  • Alguma área está melhorando ou piorando?

Ele também pode usar uma lâmpada ultravioleta para procurar manchas de vitiligo. A LW, também conhecida como lâmpada de Wood, ajuda seu médico a procurar diferenças entre o vitiligo e outras condições da pele.

Às vezes, ele pode querer coletar uma amostra de pele, procedimento conhecido como biópsia e enviará para o laboratório examinar essas amostras. As biópsias de pele podem mostrar se você ainda tem células produtoras de pigmentos nesta área do corpo. Já os exames de sangue ajudam a diagnosticar outros problemas que podem acompanhar o vitiligo, como problemas de tireóide, diabetes ou anemia.

 

Quais são suas opções de tratamento?

Os tratamentos para o vitiligo visam restaurar o equilíbrio de cores da pele. Alguns tratamentos visam adicionar pigmento enquanto outros o removem. Suas opções variam de acordo com:

  • a gravidade de sua condição
  • a localização e o tamanho das suas manchas
  • quantas manchas você tem
  • quão difundidas são as manchas
  • como você responde ao tratamento

Os tipos de tratamentos incluem médico, cirúrgico ou uma combinação de ambos. Mas nem todos os tratamentos funcionam para todos e alguns podem causar efeitos colaterais indesejados. Fale com seu médico se começar a sentir efeitos secundários devido a um tratamento. Eles podem reajustar sua dosagem ou fornecer alternativas.

Lidando com os aspectos emocionais do vitiligo

Pesquisas mostram que pessoas com vitiligo tendem a desenvolver problemas de estresse emocional e autoestima. Um estudo também descobriu que os pais de crianças com vitiligo relatam menor qualidade de vida. Mas o vitiligo não é contagioso nem causa efeitos físicos negativos. Pessoas com vitiligo podem viver uma vida saudável e ativa.

É importante encontrar um terapeuta que entenda essa condição da pele e seu impacto na saúde mental. Estudos iniciais, mas limitados, de terapia cognitivo-comportamental individual (TCC) e vitiligo sugerem que pode ajudar:

  • mantendo a auto-estima
  • prevenindo a depressão
  • melhorando a qualidade de vida geral

Junto com sua família e amigos, um grupo de apoio ao vitiligo é uma grande fonte de apoio. Esses grupos dão aos pacientes a oportunidade de se expressar e conhecer outras pessoas com a mesma condição. Você também pode olhar para a hashtag #vitiligo nas mídias sociais para histórias de pessoas que abraçam sua aparência. Um exemplo é a modelo e ativista Winnie Harlow, que se autodenomina “modelo porta-voz do vitiligo”.

E no Brasil?

Por aqui recentemente assistimos à Natália Deodato, uma participante do grupo Pipoca do BBB 22 que teve a primeira manifestação do vitiligo aos 9 anos de idade. As manchas surgiram antes nos olhos, pescoço e nuca e logo já estavam pelo corpo todo. Segundo ela, só foi descobrir que era realmente o vitiligo depois de um ano e meio. 

Natália teve bastante dificuldade em aceitar a condição, mas hoje comenta que ama suas manchinhas. Em suas redes sociais ela fala de autoaceitação e de amor próprio. Em junho de 2021, no mês da conscientização do vitiligo, ela postou sobre sua história de vida e enfatizou sua volta por cima, com as características que a condição trouxe à ela. “Eu amo as minhas imperfeições, amo meus contrastes, eu amo ser única! Siiiim! Eu amo meu Vitiligo! Muita gratidão e amor por tudo!”

 

O que há de novo nos tratamentos de vitiligo?

A pesquisa sobre o vitiligo aumentou nos últimos anos. A tecnologia mais recente permite avanços na pesquisa genética para que possamos entender como o vitiligo funciona. Compreender como o vitiligo é desencadeado e como seu processo interage com outros sistemas orgânicos pode ajudar os pesquisadores a desenvolver novos tratamentos.

Outros estudos sobre o vitiligo incluem investigar como o trauma ou o estresse desencadeiam o vitiligo, como a genética afeta o vitiligo e como os sinais químicos do sistema imunológico desempenham um papel no desenvolvimento da condição.

 

 

 

Por Erica Roth, revisão médica de Judith Marcin 

Trecho “E no Brasil?” escrito por equipe de comunicação da CDD

Atualização Healthline em 20 de fevereiro de 2018

Adaptação e tradução CDD – Crônicos do Dia a Dia

Fonte: Healthline

 

Compartilhe!!!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no google
Compartilhar no email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima