Dicas para viajar com segurança quando você tem uma doença mental grave

Para aqueles com uma doença mental grave, como esquizofrenia ou transtorno bipolar, viajar pode incluir riscos adicionais à saúde. Essas dicas podem ajudar.

Uma pesquisa mostra que viajar provoca ansiedade na maioria das pessoas. Na verdade, para alguns, o estresse pode até desencadear um episódio psicótico. 

Mary Seeman, uma psiquiatra de Toronto, contou a história de uma mulher que sentiu náuseas em um avião e passou a acreditar que o piloto a estava deixando doente deliberadamente para que ele tivesse uma desculpa para estar com ela quando o avião pousasse. “Ela se convenceu de que ele se apaixonou instantaneamente por ela quando viu seu tabuleiro”, escreveu Seeman. 

O Dr. Ken Duckworth, diretor médico da National Alliance on Mental Illness, lembrou de um executivo de negócios com transtorno bipolar que ia ao hospital toda vez que voava dos Estados Unidos para a Europa.

Viajar através de fusos horários é especialmente arriscado para uma pessoa que sofre de uma doença mental. Uma teoria é que as pessoas com doenças mentais já podem ter ritmos circadianos alterados, o que torna o ajuste ao jet lag mais difícil.

Então, quando uma pessoa tem uma condição que acarreta o risco de sofrer um episódio psicótico, alguma viagem vale a pena?

Nem sempre é possível evitar viagens. Se você precisa viajar, planejar com antecedência pode fazer uma grande diferença.

Para o empresário, a solução foi cruzar o Atlântico de barco em vez de avião, dando ao corpo mais tempo para se ajustar. “Ele fez isso e não teve problemas”, disse Duckworth.

Os psiquiatras oferecem uma variedade de dicas para ajudar a minimizar o risco de desencadear um episódio psicótico durante a viagem.

Quem corre risco?

Mesmo se você nunca teve psicose, mas sabe que está em risco, é melhor pensar no futuro. Sua primeira ruptura com a realidade pode vir durante uma viagem.

Seeman disse a Healthline que as chances são maiores se você tiver um histórico familiar de doença psiquiátrica e estiver em um momento vulnerável, como após um rompimento ou a morte de um ente querido, ou depois de perder muito peso ou sofrer outras experiências físicas ou emocionais choques.

Nessas circunstâncias, “as pessoas deveriam tentar evitar perda de sono, turnos de trabalho, álcool e talvez grandes altitudes também”, disse ela.

Os sintomas de bipolar ou esquizofrenia geralmente aparecem por volta dos 20 anos. Mas eles podem chegar aos 40 anos ou mais tarde, especialmente em mulheres que têm outras doenças e estresses, como uma história de desemprego, indicam algumas pesquisas.

Os adultos mais velhos também podem ter sua primeira pausa durante a viagem, quando estão entrando em demência.

Além disso, a psicose pode ser desencadeada pela mefloquina (às vezes chamada de Lariam), um medicamento usado para prevenir a malária. Se você já teve depressão, transtorno de ansiedade generalizada ou um transtorno psicótico ou convulsivo, a Organização Mundial da Saúde (OMS) aconselha a solicitar um medicamento diferente.

Como você pode proteger os jovens adultos?

Se a psicose é familiar, Margaret Cochran, uma terapeuta de San Jose, Califórnia, aconselha a falar com as crianças sobre os riscos que correm quando são pequenas. “A doença mental, entre outras coisas, precisa ser ‘normalizada’ como em nada do que se envergonhar. Basta reconhecer, ir ao médico adequado e fazer o tratamento”, disse ela, observando que os pais podem incluir outros problemas médicos, como diabetes ou colesterol alto, na mesma conversa.

Mas os jovens também devem saber que podem nunca desenvolver sintomas. A maioria das pessoas com um parente ou até mesmo um irmão ou pai com esquizofrenia não desenvolverá o transtorno. Essas foram as descobertas de um estudo da família feito em 2014 pelo Consortium on the Genetics of Schizophrenia. O estudo, que teve 16 co-autores e analisou quase 300 famílias, concluiu que o risco de esquizofrenia era de apenas 31% em uma família nuclear.

Antes de uma grande viagem ou estadia no exterior, agende um exame físico para seu filho e peça ao médico para discutir questões de saúde mental durante o exame.

Crianças com risco de psicose precisam saber que a maconha pode desencadear um episódio. Esta informação também pode ser fornecida pelo seu médico. Cochran apontou que é normal que crianças entre 13 e 25 anos prestem mais atenção a “um forasteiro autoritário” do que a seus pais.

Os destinos importam

Viajar para o leste ou oeste é mais difícil do que para o norte ou sul devido às mudanças de fuso horário. Se você está em Boston e tem transtorno bipolar, “e tem a chance de ir para o Brasil ou para a Itália, se for tudo igual, consideraria o Brasil”, disse Duckworth.

Viagens para locais de alta altitude também podem ser especialmente difíceis. Entre os residentes de montanha, grandes altitudes parecem ser um fator de risco para suicídio, especialmente para pessoas com transtorno bipolar. Mas ainda não está claro como os viajantes são afetados.

Certos destinos estão associados a episódios psicóticos. A “síndrome do Taiti” pode ser desencadeada quando você encontra multidões de turistas em vez de um paraíso. A “síndrome de Jerusalém” pode ser provocada por um sentimento religioso. A “síndrome de Florence” pode ocorrer à vista de belas-artes.

O motivo da viagem pode ser outro fator. Viajar para casamentos e outras ocasiões importantes pode adicionar outra camada de estresse para muitas pessoas, observou Seeman.

Mas isso não significa que ninguém deve tentar. A Clínica Feminina de Psicose em Toronto patrocinou viagens ao exterior para pacientes com esquizofrenia, para que pudessem se reconectar com crianças separadas ou visitar outros amigos e parentes distantes. Para garantir a segurança, a equipe toma diversos cuidados, incluindo o contato com profissionais de saúde no local de destino.

Preparação para sua viagem

Todos os viajantes com receita médica ativa devem trazer uma quantidade suficiente de seus medicamentos. Em alguns países, você precisa de um comprovante de receita para transportar pílulas para dormir. Verifique as regras para o seu destino.

Se você estiver em perigo de um surto psicótico, deverá levar uma carta do médico que explique a sua necessidade de medicamentos, de preferência no idioma de destino, e talvez cópias de suas prescrições. Duckworth sugere também levar consigo uma lista dos locais onde você foi hospitalizado, com datas, para que a equipe de destino possa verificar seu prontuário se houver necessidade.

No entanto, ele não sugere carregar seus papéis de “alta” de hospitalizações.

Também é importante verificar seu seguro médico para ver se ele cobriria o custo do tratamento hospitalar em um país estrangeiro ou uma viagem de emergência para casa. A maioria das políticas de viagens não.

Os pacientes que precisam de injeções de antipsicóticos como lítio ou clozapina podem precisar agendar atendimento com antecedência no local de destino.

Não beba ou use drogas recreativas para aliviar sua ansiedade no aeroporto, no avião ou depois de pousar; eles podem agravar a desidratação, o enjôo e doenças relacionadas à temperatura e desencadear os sintomas, observou Seeman.

Para gerenciar uma mudança nos fusos horários, Cynthia Last, psicóloga clínica e autora de “Quando alguém que você ama é bipolar: ajuda e apoio para você e seu parceiro”, sugere começar antes de sair: “Gradualmente, em pequenos incrementos, mude seu sono e o horário de despertar na direção do local para o qual você irá viajar. ”

Para ajudar a controlar o jet lag depois de chegar, você pode tomar 2 a 5 miligramas de melatonina antes de deitar por até quatro dias, observou Seeman.

O último sugere desacelerar toda a viagem. “Não tente amontoar muitas atividades em um dia. Faça pausas. E tente manter uma hora de dormir razoável e regular ”, disse ela.

O passo mais importante: pense cuidadosamente se a viagem é uma boa ideia. “Não combine tensões. Pode haver momentos em que uma viagem não valha a pena ”, disse Duckworth. “Você tem que se conhecer.”

Por que viajar não vai curar sua depressão

Aquelas histórias que você leu sobre pessoas que largaram seus empregos para viajar pelo mundo e voltaram com uma nova perspectiva? Eles são uma exceção.

Mais de 15 milhões de americanos adultos têm transtorno depressivo maior, de acordo com a Anxiety and Depression Association of America (ADAA), e outros 3,3 milhões têm diagnóstico de transtorno depressivo persistente. Para a maioria desses adultos, viajar não é uma cura. Na verdade, viajar pode até tornar os sintomas piores do que antes.

Na faculdade, passei por um episódio depressivo depois de viajar para ver meu então namorado. Antes de visitá-lo, eu estava enfrentando os fatores de estresse de um relacionamento à distância, misturado com as dificuldades de terminar meu último trimestre antes da formatura. Aquele longo fim de semana foi uma grande fuga dos trabalhos escolares e da tomada de decisões importantes para o futuro. Mas quando cheguei ao meu portão de embarque, a realidade de voltar para casa me atingiu como um grande maremoto.

Eu comecei a chorar.

Não seria maravilhoso se fosse tão fácil?

Fugir para evitar situações desconfortáveis ​​é algo totalmente humano. Afinal, a resposta de lutar ou fugir existe desde o início dos tempos. A reserva de viagens fácil e barata torna literalmente a parte do voo mais fácil.

O psicólogo de Manhattan, Dr. Joseph Cilona, ​​também acrescenta que, se essa fuga na forma de viagem for feita impulsivamente, há uma maior probabilidade de os sintomas se repercutirem ou voltarem ainda mais fortes do que antes.

E todos nós já experimentamos isso – no momento em que pousamos e desligamos o modo de voo: todos os pings, notificações e mensagens de texto são esmagados como uma inundação.

“A tendência é atribuir a causa do sofrimento a algo fora de você: seu trabalho, sua família, seu relacionamento e assim por diante”, observa Mary V. Seeman, MDCM, DSc, Professora Emérita da Universidade de Toronto. “Então você viaja para fugir das supostas causas apenas para descobrir que a depressão está por dentro.”

 

Tradução e adaptação: Redação CDD – Crônicos do Dia a Dia

Fonte: Healthline

Compartilhe!!!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no google
Compartilhar no email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima