‘Acolher e Transformar’: CDD reúne especialistas em cuidar de quem cuida

Evento “Acolher e transformar – um encontro para falar de cuidado” ocorreu no auditório da Biblioteca de São Paulo; confira

Quem cuida de quem cuida? Esse é o principal questionamento do projeto ‘Acolher e Transformar’, da Associação Crônicos do Dia a Dia. No último dia 22, especialistas se reuniram no auditório da Biblioteca de São Paulo, na zona norte da capital paulista, para debater diversas questões sobre o assunto.

Muitas vezes, quem cuida de um idoso, uma pessoa com deficiência ou alguma doença crônica não percebe que também precisa olhar para si. E, aqueles que conseguem enxergar isso, quase sempre não tem uma rede de apoio para compartilhar essas necessidades. Não há políticas públicas no Brasil, até o momento, que promovam a função dos cuidados com o outro em sua integralidade.

Com a mediação de Bruna Rocha, vice-presidente da CDD, que tem a experiência de cuidar e ser cuidada dentro da própria família, o encontro trouxe, logo no início, um Exercício de Biblioterapia, ensinado por Édina Galegaro, que nada mais é do que a utilização da literatura, com poemas, poesias, crônicas e histórias.

Édina Galegaro

O jornalista Fernando Aguzzoli, que é coordenador do Núcleo de Envelhecimento Bem-Sucedido e Demências da CDD, compartilhou a experiência dele como cuidador da avó, que conviveu anos com Alzheimer. Graças a essa vivência, ele escreveu os livros ‘Quem, eu?’e ‘Alzheimer não é o Fim’. No evento, ele contou como se transformou de neto a cuidador da avó: “Quando ela esqueceu de mim pela primeira vez, eu parei de negar o diagnóstico e comecei a entender o que estava acontecendo. A reserva de afeto não nos torna cuidadores perfeitos. O cotidiano do Alzheimer é feito de erros e acertos. Mas tentar outra vez é importante. Você pode transformar esse erro em acerto”.

Aguzzoli mandou um recado aos familiares: “Que vocês possam se tornar cuidadores 10%, 20%, 30% melhor à medida que o tempo passa. Também tive minhas dores e sofrimentos como cuidador. Mas nosso trabalho é mitigar os danos dessas etapas da doença. A assistência pós diagnóstico é fundamental”, concluiu.

Fernando Aguzzoli

Assista a íntegra do evento ‘Acolher e Transformar’ no nosso canal no YouTube:

Mariana Rosa, fundadora do Instituto Cáue – Redes de Inclusão, falou sobre a importância do cuidado anticapacitista. A jornalista, além de ter baixa visão, tem uma filha com paralisia cerebral. A trajetória para conseguir tratamentos multidisciplinares para a pequena fez com que ela percebesse que o acesso à saúde e a qualidade de vida não é para todos. “Logo que o diagnóstico veio, vieram várias recomendações médicas e que a estimulação dela deveria aproveitar a plasticidade cerebral. No primeiro ano de vida, não tenho foto da minha filha no parquinho, só nas terapias. Depois de um tempo, comecei a entender que tinha algo estranho sobre isso. Aos poucos fui entendendo que a deficiência não é uma trajetória individual”, afirmou.

Mariana ressaltou que, para que a pessoa com deficiência tenha autonomia, é preciso ter acesso ao cuidado: “A autonomia é ter gerência sobre sua própria vida. Se a gente desfazer o mito da independência, isso vai nos afastar da dualidade ‘quem cuida e quem é cuidado’. Também é preciso pensar a ética do cuidado através da maneira como a gente se organiza socialmente”.

Mariana Rosa

A médica Ana Claudia Quintana, autora do livro ‘A Morte é um Dia que Vale a Pena Viver’, falou sobre a importância dos cuidados paliativos, mas a atenção que precisa ser dada aos familiares. Mas a especialista em Geriatria e Gerontologia foi além: “Quero falar com quem também não tem ‘obrigação’ de cuidar de alguém. Você precisa saber reconhecer quando cuida precisa ser cuidado. Só na base do cuidado vamos conseguir ter uma sociedade justa e com equidade”, refletiu.

Ana Claudia Quintana

O ‘Acolher e Transformar’ foi encerrado com a Meditação da Colheita, promovida por Paulo Tonhassolo, que há anos participa de grupos de acolhimento. Ele propôs aos convidados que fechassem os olhos e refletissem sobre cada fala e depoimento compartilhados pelos presentes. O objetivo também foi fazer com que todos pudessem consolidar seus conhecimentos e compartilhassem com as pessoas com as quais convivem.

Compartilhe!!!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no google
Compartilhar no email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima