Com a Palavra: PPI – Pastoral da Pessoa Idosa

O aumento da expectativa de vida, somado à diminuição da natalidade,  faz com que o futuro da nossa população seja, cada vez mais, de pessoas idosas. Mesmo diante dessa realidade, infelizmente temos o etarismo – discriminação baseada em estereótipos associados à idade – e demais formas de violência como parte do cotidiano desta população.  Com o objetivo de evidenciar esse tipo de violência e promover mudanças acerca dessa realidade, a Organização das Nações Unidas (ONU) declarou o dia 15 de junho como o Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa. Como a busca por meios que garantam a qualidade de vida a todas as pessoas é um compromisso da CDD, convidamos para o Com a Palavra de junho a Pastoral da Pessoa Idosa (PPI), entidade que traz esse mesmo compromisso e realiza um trabalho incrível pela dignidade das pessoas idosas. 

Quem nos contou mais sobre o trabalho da PPI foi José Araújo da Silva, que é formado em Gestão Pública, pós-graduado em Gerontologia pela UnB e com especialização em Democracia Participativa pela UFMG. Além desse importante currículo, José Araújo também é o representante da Pastoral da Pessoa Idosa no Conselho Nacional de Saúde. 

Tenho certeza que gostará dessa entrevista. Confira!

CDD:  Você poderia contar um pouquinho sobre a PPI?

José Araújo: Fundada em 05 de novembro de 2004 por Dra. Zilda Arns, a Pastoral da Pessoa Idosa acompanha 170.000 pessoas idosas mensalmente, através de visitas domiciliares, de maneira sistematizada, por meio de 25.000 Líderes Voluntários em mais de 1.000 Municípios em todo Brasil. Um trabalho realizado para promover a dignidade da pessoa idosa, de forma que tenha acesso aos seus direitos e seja valorizada.

CDD: Pensando na área da saúde, como a PPI atua?

José Araújo: Há mais de um ano a Pastoral da Pessoa Idosa suspendeu as visitas domiciliares por conta da pandemia do Coronavírus. Desde então, estimulamos nossos líderes e colaboradores a dar continuidade nos acompanhamentos de maneira remota, por telefonemas, mensagens e recados. E, com muito empenho de toda base de líderes voluntários em todo Brasil, mais de 68% das pessoas idosas continuaram recebendo esse acompanhamento mensal remoto.

Os líderes enfrentaram o desafio e, junto com seus coordenadores Paroquiais, Diocesanos e Estaduais, continuam preenchendo e enviando a Folha de Acompanhamento Domiciliar da Pessoa Idosa para a sede nacional, que faz a sistematização dos dados e retorna com instruções e informações de modo a facilitar o trabalho dos voluntários. 

Ainda não podemos fazer a visita na casa dos idosos porque os riscos de contágio são grandes. É preciso tomar muito cuidado com o coronavírus, pois já perdemos muitas vidas! Acompanhar as pessoas idosas por telefone, mensagens, internet e recados é a melhor contribuição que podemos dar no momento, pois demonstram o afeto, atenção e a demonstração de cuidado com a vida. 

Mais de um ano se passou e não podemos afirmar quando retomaremos as visitas presenciais, pois precisamos ter cautela. Não é possível se expor e expor as pessoas idosas. Vamos nos cuidar, valorizar a vida e também valorizar os idosos!

A Coordenação Nacional e o Presidente da Pastoral da Pessoa Idosa, Dom José Antônio Peruzzo, nos pedem que observemos sempre as orientações repassadas. É preciso união neste momento difícil que a humanidade atravessa. Incentivamos ainda que os líderes tomem a vacina contra a COVID-19 e orientem as pessoas idosas a tomarem também. Com fé em Deus, usando a máscara, higienizando bem as mãos e mantendo o distanciamento físico, venceremos mais esse desafio!

CDD: Assim como a AME/CDD, a PPI também está no Conselho Nacional de Saúde. Como vocês percebem, a partir da sua atuação, essa instância de participação social na defesa da Saúde de brasileiras e brasileiros? 

José Araújo: A participação da sociedade civil numa instância superior, como é o Conselho Nacional de Saúde – CNS, é de suma importância na deliberação de políticas públicas de saúde para todo o Brasil. A PPI sente-se muito orgulhosa de participar das decisões importantes tomadas no CNS. Sabemos que essa participação contribui para ampliar os direitos à saúde das pessoas do nosso imenso país.

CDD: Para encerrar, como é possível acompanhar e colaborar com o trabalho realizado pela PPI?

José Araújo: A PPI tem um sistema de capacitação de lideranças nos diversos níveis de governo. Desta forma, qualquer pessoa que se interesse – seja no município, estado ou em âmbito federal – pode se engajar neste trabalho paroquial que é voltado principalmente às pessoas idosas acamadas ou sem condições de deixar suas casas para participar de atividades de saúde, assistência social ou qualquer outro serviço que estejam precisando. 

A PPI, através das visitas, acompanha a evolução da saúde e também verifica se as necessidades destas pessoas estão sendo cobertas pelos serviços de obrigação do estado, tanto na área da saúde como também da assistência social. 

Mais informações podem ser obtidas em nosso site.

 

É muito bom saber o quanto existem pessoas organizadas através de instituições sérias e comprometidas com o bem-estar do outro, não é mesmo?

Encontro você no próximo mês com mais uma entidade que faz a diferença, afinal #JuntasSomosMaisFortes

AbraSUS, 

Vitória da CDD

Sobre o Com a Palavra: Você já parou pra pensar quantas ações importantes existem por aí e quanto elas podem ser fortalecidas com a sua divulgação? Pois é, pensando nisso criamos o #ComAPalavra, que é uma série de entrevistas rápidas onde entidades contarão um pouco de sua história, sua atuação em defesa da saúde e nos apresentarão sua principal bandeira, que sempre terá relação com uma data comemorativa do mês. Acreditamos que #JuntasSomosMaisFortes, por isso nosso objetivo é construir pontes e levar mais informações pra você!

Compartilhe!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.

Rolar para cima