Como agir diante de uma pessoa que pensa em suicídio?

Falar sobre a angústia e sofrimento pode causar alívio para quem não vê mais sentido na vida

A chamada ideação suicida é um fenômeno complexo e que pode ser influenciado por diversos fatores estressores como perdas afetivas, rompimento de um relacionamento, dificuldades financeiras, dores e doenças crônicas, entre outros. Mas o psiquiatra Jorge Grossman Zaduchliver vai além: “Também é bastante frequente a presença de humor deprimido, desvalia e desesperança, além de outros sintomas depressivos e abuso de substâncias”.
O chefe do Serviço de Psiquiatria do Hospital Moinhos de Vento, no Rio Grande do Sul, ressalta que o estigma e o tabu relacionados ao suicídio estão presentes em nossa história há séculos. “Associados a concepções errôneas e informações falsas, os estigmas representam importantes barreiras à prevenção e são responsáveis por muitos erros no atendimento às pessoas em risco”, afirma.

Principais crenças em relação à pessoa que pensa em suicídio:

– “Quem ameaça se matar não fará isso, quer apenas chamar a atenção”: Falso. A maioria dos suicidas expressam ou dão sinais sobre suas ideias de morte;
– “Quando uma pessoa sobrevive a uma tentativa de suicídio, está fora de perigo”: Falso. Um dos períodos mais perigosos é durante a melhora inicial da crise que motivou a tentativa. O risco permanece elevado nas semanas e meses seguintes à alta hospitalar.
– “Não devemos falar sobre suicídio, isso pode aumentar o risco”: Falso. Falar pode aliviar a angústia e a tensão e restaurar a esperança da pessoa que está com pensamentos suicidas.

Exemplos de frases que são ditas para tentar ajudar a pessoa que pensa em suicídio, mas produzem o efeito contrário:
– “Pense positivo”: Exigir que a pessoa que não vê sentido na vida pense de maneira positiva é tentar, de certa forma, invalidar o sofrimento dela;
– “Sua vida é melhor do que a de muita gente”: A comparação com a situação de outra pessoa não é o modo mais assertivo de lidar com a situação e provavelmente não fará a pessoa mudar a ideia;
– “Você vai se matar por causa dele (a)? Não vale à pena”: Por mais que a intenção de quem fala essa frase esteja disfarçada de positiva, o ouvinte provavelmente não deixará a opinião dele como em um ‘passe de mágica’.
Uma dica valiosa de Jorge Grossman Zaduchliver para lidar com alguém que pensa em suicídio é ouvir mais e falar menos. “O mais importante nessa situação é ouvir, acolher, estar disponível e não julgar. Não é o que ocorre nos exemplos citados. O efeito, via de regra, é negativo”, ressalta o psiquiatra.

O mais importante, em primeiro lugar, é verificar se a pessoa está em segurança e conta com ajuda profissional. “Procure conversar em um lugar calmo, tenha tempo e dedique sua atenção integralmente à pessoa. Desligue o celular, por exemplo. Ouvir é mais importante que falar, evite interrupções, resista a tentação de oferecer solução para todos os problemas e preencher os silêncios. Esteja disponível, acolha, não julgue”, finaliza o chefe do Serviço de Psiquiatria do Hospital Moinhos de Vento, no Rio Grande do Sul.

Compartilhe!!!

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on email
Scroll to Top