Para citar, e contextualizar, o slogan de Virginia Slims (marca americana de cigarros, atualmente propriedade da multinacional Altria e fabricada pela Philip Morris) dos anos 1970, “percorremos um longo caminho, baby” na descoberta dos sérios riscos à saúde associados ao fumo de cigarros. Consequentemente, o número de pessoas que fumam caiu significativamente nas últimas décadas.

Com a queda no uso, veio uma diminuição na aceitabilidade social – mesmo nas cada vez menos áreas públicas onde ainda é permitido. Mas e a imagem pessoal? Atualmente, é visto como glamoroso ou perigoso? Algumas pesquisas têm respostas.

Fumar e o sex appeal

Seiter JS, et al. (2010) investigaram como os fumantes são percebidos em termos de atratividade, simpatia, limpeza, saúde e credibilidade

Eles examinaram como modelos masculinos e femininos são percebidos fumando ou não cigarros. Eles descobriram que fumar cigarros é prejudicial à imagem de uma pessoa em todas as categorias estudadas, com exceção da credibilidade.

Os modelos em seu estudo usavam as mesmas roupas, tinham a mesma expressão facial e estavam posicionados na mesma pose; a única diferença era que os modelos fumantes seguravam um cigarro com fumaça saindo da ponta.

Eles descobriram que, exceto nas áreas de compostura (onde não encontraram diferenças) e extroversão (onde os fumantes foram classificados mais altos do que os não fumantes), os fumantes foram classificados de forma menos favorável em todas as variáveis ​​examinadas.

Os pesquisadores observaram que talvez o resultado mais significativo encontrado esteja relacionado às percepções de simpatia e atratividade social. Em contraste com pesquisas anteriores que não encontraram diferença, eles descobriram que os fumantes foram classificados significativamente mais baixos do que os não fumantes nessas áreas – levando-os a sugerir que as pessoas estão cada vez mais vendo os fumantes de forma negativa.

Outro estudo de John R. Beech e James Whittaker (2001) examinou como as mulheres fumantes são percebidas por homens e mulheres que fumavam ou não fumavam (Vinke, 2016). Os participantes viram modelos femininas posando com ou sem cigarro, ou apenas usando óculos e avaliaram sua inteligência percebida, atratividade e interesse sexual.

Eles descobriram que as modelos que não fumavam e não usavam óculos eram consideradas as mais atraentes e menos atraentes quando usavam óculos. Em relação às classificações de interesse sexual, os participantes descobriram que as modelos na pose de fumar foram classificadas como as mais sexualmente interessadas, e as modelos que usavam óculos foram classificadas como as menos interessadas sexualmente. No tópico da inteligência, foram as modelos que usavam óculos que foram classificadas como as mais inteligentes, com os fumantes classificados como os menos inteligentes.

A afinidade atrai? Talvez até certo ponto. Estes pesquisadores descobriram que os participantes que eram fumantes classificaram os modelos de fumantes como mais atraentes, mas em pé de igualdade com os não fumantes em termos de inteligência percebida. Os participantes não fumantes, por outro lado, classificaram os modelos de fumantes como menos inteligentes e menos atraentes do que os não fumantes. Eles não encontraram distinções significativas de gênero em seus resultados.

Fumantes do sexo masculino como temporários

Vincke (2016) examinou as percepções de jovens fumantes do sexo masculino em contextos associados ao interesse sexual de curto prazo. 

Ela descobriu que as mulheres percebem os homens que fumam e bebem como sendo menos interessantes para relacionamentos duradouros, e sim para relações de curto prazo, quando comparados a homens abstêmios; e que o uso de tabaco e álcool (em maior medida) seriam mais atrativos para relacionamentos curtos.

Por que isso é verdade? Vincke observa que cigarros e álcool são formas de risco físico, devido às muitas consequências negativas para a saúde. Ela, portanto, observa que, como a preferência feminina por assumir riscos físicos masculinos opera em um contexto de curto prazo, como uma estratégia de corte sexual, fumar e beber só são eficazes para aumentar a atratividade de um homem em um contexto de curto prazo, mas reduzem sua capacidade de desejabilidade de longo prazo. Consequentemente, esses homens são vistos como parceiros de namoro mais atraentes apenas a curto prazo.

Ficar sóbrio é atraente

Tomadas em conjunto, essas pesquisas parecem indicar o desejo de viver sem tabaco, tanto no pessoal quanto no relacionamento. Os não-fumantes são vistos não apenas como os mais atraentes em geral, mas também são vistos como potenciais parceiros de longo prazo. Eles sem dúvida serão mais saudáveis ​​como grupo devido às consequências negativas para a saúde causadas pelo uso do tabaco.

Referências

  • Beech JR and Whittaker J. “What Is The Female Image Projected By Smoking?” Psychologia, 2001, Vol.44 (3), p.230-236.
  • Seiter et al. “Nonsmokers’ Perceptions of Cigarette Smokers’ Credibility, Likeability, Attractiveness, Considerateness, Cleanliness, and Healthiness.” Communication Research Reports. 27 (2): 143–58, 2010.
  • Vincke E. “The Young Male Cigarette and Alcohol Syndrome: Smoking and Drinking as a Short-Term Mating Strategy.” Evolutionary Psychology, (March 2016).

Leia também no site da CDD:

Tradução e adaptação: Equipe da Crônicos do Dia a Dia (CDD) 

Fonte: Psychology Today

Escrito por Wendy L. Patrick., revisado por Ekua Hagan, publicado em 22 de setembro de 2020.

Compartilhe!!!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no google
Compartilhar no email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima